Páginas

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Sozinho (Alone)

Sozinho - Edgar Allan Poe - A Tradução Livre


Nas horas de minha infância não fui
Como outros eram - tampouco vi
Como outros viram - não pude trazer
Minhas paixões de um comum prazer.
Da mesma fonte não pude retirar
Meu pesar; eu poderia não acordar
Meu coração para a mesma felicidade;
E tudo que amei, amei em solitude.
Depois - em minha infância - na escuridão
De uma turbulenta vida - foi esboçado então
De cada pedaço de bem e de mau
O mistério que vincula-se a mim, afinal:
Da torrente, ou da fonte,
Do penhasco vermelho do monte,
Do sol que ao redor de mim envolve
Em um matiz dourado como nunca houve -
Dos raios do céu alto
E quando por eles era envolto -
Dos trovões e a tempestade,
E a nuvem cuja forma, e vontade
(Quando era azul o resto do Paraíso)
De um demônio a atormentar meu juízo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

atraducaolivre.blogspot.com.br no linkto